Selecione o seu Idioma   Seleccione su Idioma
  Mais artigos de Maria Inês Felippe

 

TREINE SEU CÉREBRO E AUMENTE SEU PODER
Por Maria Inês Felippe

         Hoje sabemos que utilizamos apenas 10% do nosso cérebro, essa fantástica máquina à qual nenhum computador se iguala. Podemos perceber que mesmo pessoas com bom nível de preparação acadêmica tendem a utilizar padrões de pensamento incompletos. Conhecimento é informação com significado capaz de criar um novo conceito, atitude, buscar caminhos, modificar fatos ou levar à transformação. Como tudo funciona naturalmente, sequer pensamos no incrível mecanismo acionado para as atividades mais corriqueiras da vida como mexer um dedo, todos os dedos, fechar os olhos abri-los, fechar a boca abri-la e emitir sons. Por aí vai, assim como os intrincados caminhos do pensamento, da articulação de idéias, da vontade, das emoções. Está tudo aí, pronto. Mas é bom saber que essa complexa organização de matéria, como qualquer outro órgão, precisa ser exercitada, senão corre o risco de atrofiar. Da mesma forma, exercitá-lo pode aumentar o seu poder. Sempre reforço que assim como vamos numa academia de ginástica ou disponibilizamos de equipamentos em casa para fazer exercícios corporais, temos que fazer a ginástica cerebral, para que a mente esteja sempre pronta para criar sem grandes sofrimentos. Afinal,.criar não dói e não tem contra indicação!

         A divisão do cérebro em dois lados, direito e esquerdo, não é novidade, da mesma forma ser de conhecimento geral que cada lado comanda o lado inverso do corpo: assim, o lado esquerdo do cérebro comanda o direito do corpo e o lado direito comanda o esquerdo do corpo. A boa notícia dos cientistas, entretanto, é que o cérebro é o órgão mais treinável do corpo. Por isso é bom ficar atento à grande lei da biologia, do uso e desuso que vale para todos os tendões, ligamentos, músculos e, principalmente, para o cérebro; usou, desenvolve, não usou, atrofia.

         A questão agora é saber como funciona o treinamento do cérebro. Vale dizer que, como para qualquer atividade esportiva o fundamental é a constância, a disciplina e a orientação de um profissional capacitado. Como o cérebro humano é único, não existindo um modelo igual ao seu, o autoconhecimento é, então, o primeiro passo nessa olimpíada. É preciso reconhecer seus modelos mentais, que funcionam como anteparos, dirigindo sua linha de pensamento, visão do mundo e conseqüentemente seu comportamento. Cada pessoa constrói seu próprio conhecimento, através das informações que faça sentido para a sua vida assim como para suas experiências de vida.

         A maior parte do pensamento se inicia na etapa da percepção e tem relação direta com a maneira como a pessoa capta informação do meio ambiente. A maneira como vê o mundo está condicionada por experiências prévias, seus conhecimentos e suas emoções.

         Temos constatado que mediante o desenvolvimento do pensamento é possível organizar e reorganizar as percepções e as experiências, com o objetivo de mudar visões, enxergar o mundo de forma diferente, tendo uma visão mais clara dos problemas assim como a capacidade para buscar estratégias e soluções. Vale buscar ferramentas de apoio, como livros, troca de experiências com outras pessoas, filmes, terapias, participação em cursos etc. Busque os conhecimentos básicos a seu respeito e depois vá se aprofundando. No nível do controle dos movimentos, a divisão entre hemisfério direito e esquerdo é simples: o lado direito do cérebro comanda o esquerdo do corpo e o esquerdo do cérebro o direito do corpo.

         A maioria dos processos de pensamento que utilizamos em programas de desenvolvimento tem o propósito de ampliar percepções e dirigir deliberadamente a atenção durante o seu próprio processo de pensamento. Somente assim acreditamos que haverá mudança de atitudes, favorecendo ativar a mente de forma consciente, sistemática e deliberada através da observação especifica da maneira como se processa a informação e como se utilizar dela.

         Estudos científicos indicam a predominância de um dos lados na personalidade do indivíduo. O lado esquerdo é o da razão, da lógica, da matemática. O direito é o criativo, romântico, sonhador, visionário. A predominância vai influenciar na escolha profissional. Engenheiro lida com cálculo, planejamento, assim, prevalece o lado esquerdo. Artista atua com a intuição, a imaginação, a estética, então o predomínio do lado direito.

         A verdade é que o mundo precisa de profissionais dos dois tipos, mas a cada dia fica mais claro que o ideal é o equilíbrio entre os dois. Esse equilíbrio pode ser hoje um grande diferencial. Exemplo disso é o número cada vez maior de profissionais liberais como psicólogos, médicos, advogados etc.que se sobressaem exatamente por não serem apenas técnicos, mas conseguem comunicar-se com leigos através de palestras e artigos em jornais, revistas e outros meios de comunicação. A história está repleta de exemplos, principalmente de artistas, que viveram grandes dificuldades por não conseguirem utilizar nenhuma habilidade das que o lado esquerdo do cérebro comanda, como Van Ghog, o poeta português Mário Sá Carneiro, entre outros.

         Nos programas de treinamento de criatividade e inovação estamos constantemente relembrando que idéias lançadas sem concretização são parecidas com as ilusões. O processo criativo vai desde sonhar até colocar em pratica, avaliar etc., diria que é o uso integral do cérebro ( lado direito e esquerdo- razão e emoção).

         A competência criatividade tem um forte componente motivador, sem contar que " abre a cabeça", favorecendo mudanças de atitude, postura diante da vida, assim como melhoria nas relações interpessoais. E ainda provoca na pessoa o sentimento de que ela é capaz de sonhar, realizar atividades que jamais imaginara , de superar seus limites, lidar com situações difíceis e de controle emocional.

         Se você está entre a maioria, ou seja, entre os que utilizam apenas um lado e deixaram passar qualquer aprendizado referente ao outro, não pense que tudo está perdido. Sempre é tempo de se colocar em ação. Exercício físico faz bem ao cérebro sim, pois provoca a produção de endorfina, substância responsável pela sensação de prazer, capaz de compensar os efeitos nocivos da adrenalina, substância provocada pelo estresse, altamente prejudicial à ação cerebral.

         Leitura de qualidade aumenta a capacidade de armazenar informações, além de ativar a memória, aumentar a compreensão e a associação. E ainda contribui para melhorar seu vocabulário. Mas procure diversificar sua leitura e o resultado será ainda melhor. Fique atento, entretanto, quanto à necessidade de refletir sobre o que foi lido. Feche o livro, pense um pouco sobre o trecho que acabou de ler, buscando entendê-lo o máximo possível.

         Entenda uma parte do texto, feche o livro, pegue uma folha de papel e continue o texto. Comente com alguém que tenha lido a mesma coisa. Ao fazer isso você estará tanto armazenando informações quanto ativando a capacidade do seu cérebro, ao mesmo tempo em que desenvolve o raciocínio crítico, a imaginação e a criatividade.

         Quem percebe que começa a não se lembrar nomes, a não ter novas idéias ou motivação para buscar novos interesses, é bom ficar atento para não deixar o cérebro entrar em estado de apatia. Faça coisas inesperadas para provocar uma espécie de tratamento de choque no cérebro.Ambientes diferentes, que apresentam desafios são excelentes agentes de mudanças de atitudes, ajudando a pensar e ver as coisas de modo diferente.

         O melhor estímulo para o cérebro ainda é a curiosidade, a capacidade de se deslumbrar. Faça coisas novas. Aprenda a pintar, dançar, cantar, saia da rotina. Resgate sua capacidade de se surpreender. Passe a questionar suas crenças e verdades, duvide. Seja criativo, invente um novo roteiro para a sua vida.Tenha a criatividade não somente como uma estratégia para diferenciar-se no mundo do trabalho, mas como uma filosofia de vida.

Maria Inês Felippe: Palestrante, Psicóloga, Especialista em Adm. de Recursos Humanos e Mestre em Desenvolvimento do Potencial Criativo pela Universidade de Educação de Santiago de Compostela - Espanha. Palestrante e consultora em Recursos Humanos, Desenvolvimento Gerencial e de equipes, Avaliação de Potencial e competências. Treinamentos de Criatividade e Inovação nos Negócios. Palestrante em Congressos Nacionais e Internacionais de Criatividade e Inovação e Comportamento Humano nas empresas. Vice Presidente de Criatividade e Inovação da APARH.

Clique aqui para imprimir esse artigo  
  Mais artigos de Maria Inês Felippe
   
Página inicial